Manual

Refletir, Reformar, Reengajar: Um perfil para os Partidos do Século XXI

0

Os partidos políticos no Século XXI enfrentam vários desafios existenciais, incluindo: 

• Por que cada vez mais cidadãos excluídos não veem parte do ativismo como um mecanismo para dar voz às suas preocupações? 

• Como os partidos com ideologias desenvolvidas, plataformas, programas e um historial de serem responsáveis pelas mudanças de decisões competem contra a ascensão de movimentos populistas, muitos dos quais são movidos por questões individuais? 

• Dada a exclusão dos cidadãos com partidos tradicionais, como eles podem levantar recursos legítimos para continuar suas operações? 

• Como os partidos políticos podem manter-se com a mudança das expectativas dos cidadãos, no que diz respeito à comunicação e à divulgação? 

• Como podem os partidos políticos refletir um compromisso para o empoderamento das mulheres através de seus objetivos políticos, cultura organizacional e estruturas institucionais? 

Não há respostas fáceis para estas perguntas. Este documento nem pretende fingir que existem prescrições ou técnicas “tamanho único”. Ao invés, esta é a reflexão e pensamento consolidado de ativistas políticos, profissionais e acadêmicos reunidos pelo Instituto Democrático Nacional (NDI) como parte dos Partidos do Século XXI: A Iniciativa de Renovação do Partido. Até agora, a iniciativa tem três fases: um blog on-line para que os expertos se pronunciem sobre os desafios que enfrentam os partidos e suas possíveis soluções; a Conferência de Partidos do Século XXI em Bruxelas, a Bélgica, que reuniu especialistas de partidos políticos e líderes do mundo todo para discutirem o caminho a seguir; e este guia, que sintetiza os artigos do blog e as discussões da Conferencia do Século XXI com outros estudos de caso e dicas práticas para atingir os desafios que enfrentam os partidos políticos democráticos no Século XXI. 

Resolver conflitos políticos internos e responder à mudança geopolítica requer de instituições democráticas fortes que possam mediar o partidarismo, assegurar os direitos das minorias, respeitar o estado de direito, e, por isso, conter o apelo de populistas e extremistas. O objetivo desta iniciativa em curso é ajudar a aumentar a resistência democrática através do trabalho com os partidos políticos, tornar-se mais sensível às necessidades dos cidadãos e criar oportunidades multipartidária e consenso multiétnico.